quinta-feira, 29 de maio de 2014

Europeias 2014: PSD courense em reflexão

O presidente da concelhia courense do PSD diz que vai tirar “as devidas ilações" dos resultados das eleições europeias do passado domingo. Na página oficial daquela estrutura partidária no Facebook, Paulo Castro fala dum mau resultado a nível nacional “e especialmente a nível local”.

Referindo que cada acto eleitoral serve para medir o pulso aos eleitores relativamente às lideranças locais (partidárias e autárquicas), o presidente da concelhia social democrata, embora reconhecendo que as próximas eleições locais ainda vêm muito longe, explica que é preciso identificar o que correu mal em termos de campanha. Ao mesmo tempo anuncia que vai reflectir sobre os resultados, a título pessoal, e que, logo que possível, comunicará o resultado dessa análise aos restantes militantes do partido em Paredes de Coura.

De referir que nas eleições do passado domingo, o PSD (em coligação com o CDS-PP), obteve em Paredes de Coura, 27,67% dos votos, quando nas autárquicas de Setembro teve 36,47% (e o CDS-PP 2,07%). No entanto, ninguém desconhece que se tratam de eleições diferentes, com objectivos diferenciados e em que as autárquicas mexem muito mais com os eleitores. Aliás, os próprios valores da abstenção indicam essa realidade, pois se em Setembro votaram mais de 65% dos inscritos, no domingo apenas 25,66% dos eleitores courenses exerceu o seu direito de voto.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Feira Mostra… deixa alguns de fora

Evento máximo da divulgação dos produtos regionais de Paredes de Coura (mais dos comestíveis do que dos outros, mas são sinais dos tempos) a Feira Mostra há muito que conquistou um lugar no coração dos courenses que lhe chamam mesmo “Feira Monstra”. No próximo fim de semana tem lugar mais uma edição, contestada por alguns pelo facto de não se realizar no habitual fim de semana (foi antecipada em oito dias) e por começar a ter limitações de espaço, tantas são as solicitações, nomeadamente ao nível das “tasquinhas” que, diga-se em abono da verdade, são o que dá vida à feira.

E, se a Feira é o expoente da divulgação do concelho, é-o também das suas associações, colectividades e, naturalmente, das freguesias. No entanto, ao pegar no programa da edição de 2014 da Feira Mostra, o que mais me chamou a atenção foi que, afinal, andaram os políticos courenses a contestar tanto tempo e de diversas formas a reorganização administrativa que levou à criação das uniões de freguesias e afinal há quem em Coura vá mais longe que os técnicos do Terreiro do Paço. É que se estes, a reboque das políticas do Governo, resolveram unir administrativamente dez das freguesias do concelho, reduzindo o número de juntas de freguesia de 21 para 16, a Feira Mostra, no seu folheto, consegue cortar ainda mais e anuncia uma “terra rica de contrastes… com 15 freguesias, qual delas mais típica”.

E assim, em duas linhas, passamos de 21 freguesias (sim, continuam a existir 21, mas apenas 16 juntas de freguesia) para somente 15 freguesias. As seis esquecidas, quais foram? Onde estão? No lugar de sempre, só lograram escaparam ao crivo da leitura dum corrector pouco atento.

Espero que no próximo sábado, quando o ministro adjunto e do Desenvolvimento Rural visitar o concelho (e supostamente a Feira Mostra), alguém explique a Poiares Maduro que Paredes de Coura tem, efectivamente, 21 freguesias. Aliás, e para honrar a linha de pensamento da autarquia há meia dúzia de meses, deveriam até, lembrar o ministro que o município continua a lutar por essas mesmas 21.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Um largo (ao) abandono

Não é de agora que os comerciantes da zona envolvente do Largo Hintze Ribeiro se queixam do mau estado de conservação do conjunto de lojas que encima o largo. As obras há muito que são reclamadas e, ainda no Natal de 2012, aproveitando uma campanha promocional da associação empresarial, os presentes desejados pelos lojistas passavam pelas obras há muito solicitadas ao proprietário do edifício: a autarquia courense.

Ano e meio depois, os pedidos continuam a ser os mesmos. Pintura exterior e renovação da cobertura que em muitas zonas já não existe, são algumas das reivindicações, a que se junta a limpeza daquela zona. Mas basta subir a escadaria que dá acesso da parte de baixo do largo à zona do chafariz, que logo se vislumbram mais problemas. A começar pelo próprio chafariz, “ex-libris” daquele espaço e que há muito perdeu a força da vida que lhe dava a água corrente, permanecendo imponente… mas seco. E a terminar nos lampiões danificados (e a representar perigo) e nos postes de iluminação pública que o projecto das últimas obras de remodelação do largo deixou colocados no meio da rua e que ostentam já inúmeras lembranças de outras tantas amolgadelas causadas por automobilistas mais distraídos.

Numa altura em que se fala na instalação, na parte de baixo do Largo Hintze Ribeiro, do mercado de rua com que a Câmara de Paredes de Coura quer ajudar a revitalizar o comércio local, convém não esquecer que antes de fazer algo novo, não ficaria mal reparar o velho que está estragado.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Vem aí a “Vila do Rock”

A Câmara Municipal de Paredes de Coura quer apostar no potencial do festival de música para dar mais notoriedade ao município e vai colocar em execução um plano de marketing e comunicação que irá utilizar o slogan “Paredes de Coura – Vila do Rock”. O plano, que inclui a criação da imagem gráfica desta iniciativa de promoção local, resulta duma candidatura a fundos comunitários, apresentada ainda pelo anterior executivo. Deste modo, à semelhança do que acontece com outros municípios que têm associado um slogan que os identifica com o que ali se produz, também Paredes de Coura será identificada pela sua ligação ao Festival, o que, aliás, já se verifica, ainda que não de forma formal.

O plano de acção consta de três acções, comparticipadas a 85% e em que está previsto um investimento de cerca de 90 mil euros. Além do plano de marketing e comunicação, que deverá associar o nome do município ao referido slogan, está igualmente prevista a realização de um encontro com vista à troca de conhecimentos e experiências sobre as novas tendências no sector da música. Um evento para cuja organização foi convidada a Ritmos, empresa responsável pelo Festival de Paredes de Coura e, por isso mesmo, também pelo reconhecimento que o mesmo traz ao concelho. Este evento, aliás, irá representar a maior fatia da verba destinada ao plano de promoção local.

Ao mesmo tempo procura-se perpetuar a memória do Festival de Paredes de Coura, consolidando a sua marca no concelho. Está prevista a recolha, organização e divulgação do percurso deste evento. Uma acção que deverá culminar com a elaboração duma publicação que reunirá a memória do mais marcante evento que tem lugar em Paredes de Coura.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Foram os animais senhor...

Três dias... três dias, apenas, que duraram sem estragos as floreiras nas nossas ruas de Paredes de Coura.


sexta-feira, 2 de maio de 2014

Câmara quer concelho mais sinalizado

A autarquia de Paredes de Coura quer mais sinalização a indicar o concelho nas principais vias de acesso a esta zona do país, nomeadamente na A3 e na A27. Queixando-se do facto de existir pouca ou nenhuma sinalização a indicar, com antecedência, a saída para o concelho, Vítor Paulo Pereira informou que vai fazer pressão junto das entidades responsáveis para que essa situação seja alterada, agregando na mesma missão diplomática outros concelhos da região que sofrem do mesmo mal, nomeadamente Vila Nova de Cerveira e Melgaço.

O presidente da Câmara de Paredes de Coura falava na última reunião da Assembleia Municipal, onde o assunto foi abordado, referindo que existe muita confusão nas saídas da A3 e da A27 para Paredes de Coura, devido à falta de sinalização atempada. “"Entre Braga e Paredes de Coura, na auto-estrada, não existe nenhuma placa a indicar o nosso concelho”, lamentou Vítor Paulo Pereira, que está disposto a alterar essa realidade, “nem que tenhamos de os vencer pelo cansaço”.

Com efeito, ao contrário do que acontece com Ponte de Lima e Valença, por exemplo, não existe, quer na A3, quer na A27, qualquer placa informativa alusiva a Paredes de Coura. Além disso, mesmo a sinalização direccional é reduzida, nomeadamente na A27 e, cúmulo dos cúmulos, quem circular na A27 e sair no nó de Arcozelo, vai apanhar, nas rotundas de ligação, indicações diferentes para chegar ao nosso concelho. Se vier de Viana do Castelo recebe a indicação para seguir pela estrada da Travanca. No entanto, se vier do lado de Arcos de Valdevez (ou da A3), já vai ver a indicação para seguir para Paredes de Coura via estrada das Pedras Finas. Sendo que uma saída e outra estão separadas entre si apenas por 50 metros, a dualidade de informações não faz qualquer sentido.

O assunto mereceu também a concordância da oposição, com José Augusto Sousa, porta voz do PSD, a concordar com a estratégia de defesa das saídas para Paredes de Coura defendida por Vítor Paulo Pereira. O social-democrata, contudo, não perdeu a oportunidade de lembrar à Câmara que esta pode também, à semelhança do que fazem outras autarquias da região, colocar outdoors publicitários ao longo da A3 e A27 para, ao mesmo tempo, divulgar o concelho e dar aos visitantes a informação necessária de como cá chegarem.